Agricultura

Terça-feira, 10 de Julho de 2018, 12:13

Tamanho do texto A - A+

AGROMT

A produção de orgânicos possui 85% do mercado brasileiro para conquistar, diz especialista

Por: Viviane Petroli

Da Redação Mato Grosso Agro

Foto: Viviane Petroli/Mato Grosso Agro

Orgânico

 

Um dos maiores desafios da produção orgânica no Brasil é conquistar mercado. Em 2017, segundo especialistas, apenas 15% das famílias brasileiras consumiram produtos orgânicos, enquanto nos Estados Unidos o percentual chegou a 82%. A produção de alimentos livres de agrotóxicos e de maneira sustentável foi um dos assuntos abordados no segundo dia da feira AgroMT em Cuiabá.

A feira, voltada para a difusão de conhecimento, tecnologia e negócios, está em sua primeira edição e segue até o dia 12 de julho no Parque de Exposições Senador Jonas Pinheiro, localizado na Avenida Beira Rio.

No Brasil 60% dos produtos orgânicos consumidos são oriundos da olericultura, ou seja, são verduras e legumes, enquanto 25% frutas e cereais. Hoje, o orgânico está inserido tanto na alimentação do brasileiro quanto em outras formas, como é o caso dos cosméticos.

Atualmente, o país possui cerca de 15 mil propriedades entre certificadas ou em processo de certificação.

“O mercado da olericultura tende a ser o maior dentro dos consumidores de orgânicos. Às vezes se tem a visão de que o orgânico é atrasado. Se tem uma visão deturpada da produção. Mas, esse tabu está caindo. O produtor consegue levar para a mesa aquilo que ele promete”, pontuou o gerente de avaliação da conformidade do Instituto Chão Vida, Senilo Santana da Silva, que palestrou sobre “Olericultura – Produção orgânica no Brasil e considerações para o futuro”.

Em 2017, conforme Senilo Santana da Silva, 15% da população brasileira (famílias) consumiu produtos orgânicos. “Temos 85% do mercado consumidor para conquistar. 41% dos consumidores afirmam que não consomem porque é caro, outros por desconhecimento sobre o que é orgânico, falta de interesse e até mesmo falta de local para comprar”.

Segundo o especialista, entre as maiores dificuldades para se produzir orgânico no Brasil estão as mudanças nos padrões de produção, falta de ações públicas efetivas, liberação de crédito e acesso a juros praticáveis, insumos (não encontra-se o suficiente para atender a demanda) e assistência técnica, além de fiscais e auditores.

“O Ministério da Agricultura não consegue certificar tudo e por isso credencia certificadoras. Porém, o Ministério não tem auditores suficientes para auditar as certificadoras. É u a falha deles isso em todo o país”, pontuou Senilo.

Avalie esta matéria: Gostei +3 | Não gostei

Preencha o formulário abaixo:

Leia mais sobre este assunto: