Agricultura

Sexta-feira, 06 de Julho de 2018, 13:15

Tamanho do texto A - A+

BAIXADA CUIABANA

Produtor de Poconé registra produtividade de 100,41 sc/ha e vence o CESB estadual

Por: Viviane Petroli

Da Redação Mato Grosso Agro

Foto: Arquivo Pessoal Raul Santos Costa Neto

Raul Neto

 

O 10º Desafio de Máxima Produtividade CESB, realizado pelo Comitê Estratégico de Soja Brasil (CESB), registrou nesta safra 2017/2018 mais de 5,5 mil inscrições no país. Produtor em Poconé, região da Baixada Cuiabana, Raul Santos Costa Neto alcançou o título de campeão estadual de produtividade com uma produção de 100,41 sacas por hectare, atingindo volume recorde em Mato Grosso. O produtor no ranking nacional ficou em 26º e no Centro-Oeste em 3º.

O 10º Desafio de Máxima Produtividade CESB foi a primeira vez que Raul Santos Costa Neto participou. Ele conta que contou com o apoio técnico da Agroamazônia e a utilização dos equipamentos John Deere para obter tal resultado de alta produtividade nesta safra 2017/2018 em um espaço curto de tempo e em uma localidade com pouco histórico de produção agrícola, como é o caso da Baixada Cuiabana.

"Estamos há muito pouco tempo desenvolvendo a integração lavoura-pecuária, em uma área de 1.500 hectares, concentrados por enquanto apenas na produção de soja, o que nos faz buscar cada vez melhor produtividade, pois não fazemos safrinha de milho. Cultivamos soja de novembro até final de março, depois substituímos por capim para o gado ao longo de três meses", explica o produtor que é médico veterinário e até então se dedicava apenas à pecuária.

A produção de soja em sua propriedade em Poconé é realizada há quatro safras. O cultivo saiu de um índice de 1,5% de matéria orgânica no solo para uma média de 2,8% (área total), sendo que em algumas áreas da fazenda chegou a 4%, neste período de quatro ciclos.

Conforme Raul, para participar do desafio do CESB ele selecionou algumas faixas menores da propriedade para serem monitoradas. Nas áreas monitoradas, explica ele, conseguiu-se alcançar a marca de 100,41 sacas por hectare, enquanto no restante de sua propriedade destinada à cultura da soja e que não participou do desafio foram 79 sacas por hectare.

"Já estivemos reunidos recentemente com o engenheiro da Agroamazônia que nos ofereceu suporte neste desafio, para poder discutir mais melhorias quanto ao plantio. Temos condições muito específicas na região e pouca informação a respeito, por isso o acompanhamento tem que ser de perto e aperfeiçoado constantemente", diz Raul.

Conforme o empresário Marco Miranda, sócio-diretor da Áster Máquinas, a excelente classificação do produtor de Poconé se deve a um conjunto de fatores, entre eles, as soluções apresentadas por equipamentos agregam alta tecnologia no campo.

Avalie esta matéria: Gostei | Não gostei