Tecnologia

Quarta-feira, 30 de Outubro de 2019, 07:19

Tamanho do texto A - A+

TECNOLOGIA NO AGRO

Estratégias IoT propõem soluções para agronegócio de MT

Por: Assessoria de Imprensa Ausec

Que o emprego de tecnologia para ampliar a produção agropecuária no mundo é um caminho sem volta não se tem mais dúvida. A questão agora é fazer uso da conectividade para obter cada vez mais informações que aumentem a produtividade do setor. No momento da 4ª Revolução Industrial, a utilização da “Internet das Coisas” (Internet of Things - IoT) será a estratégia adotada pela agricultura e pecuária para garantir o incremento necessário na produção, visando ao crescimento da população mundial para cerca de 9,3 bilhões de pessoas até 2050, conforme previsão da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

Identificar os problemas do agronegócio para encontrar soluções a partir da conectividade é um dos primeiros passos que devem ser adotados por empresas que propõem as estratégias de IoT nesse setor.

“Será que é preciso aplicar defensivos agrícolas em todos os talhões de uma lavoura? Isso pode ser medido por sensores que aferem se realmente é necessário. Onde de fato está seco? É preciso irrigar todo o solo ou somente a parte que absorve menos umidade? Ou seja, essas informações podem ser enviadas em rede para buscar mais eficiência, produtividade e redução de custos”, comenta a idealizadora da maior comunidade sobre IoT no Brasil, a “Tudo sobre IoT”, Thelma Troise.

Recente estudo realizado pelo Sistema da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), através do programa Conexão AgriHub, aponta os problemas “top of mind” enfrentados pelo setor do agro no Estado, pesquisados in loco nas propriedades. O primeiro deles é justamente a falta de compartilhamento de informação, seguido da falta de automatização da coleta de informação e da falta de segurança nas fazendas.

O compilado chama-se “Onde estão as grandes oportunidades do agro? - Uma visão de dentro da porteira”, datado de abril de 2018, dos pesquisadores Daniel Latorraca, superintendente do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), e Fábio Silva, consultor do Conexão AgriHub. O resultado vem ao encontro da proposta trazida pelo IoT.

“Com a coleta de informações para a formação de uma base de dados é possível conhecer a realidade da região, de forma a se conseguir automatizar processos, o que necessariamente vai trazer mais eficácia e menos custo através da Internet das Coisas”, reforça a especialista em IoT.

A gestão do negócio a partir de uma oferta de soluções que atendam às necessidades do produtor rural é onde o IoT se consolida como uma eficiente tecnologia de grandes resultados. O diretor presidente da empresa AUSEC, Wagner Figueiredo, conta sua recente experiência em uma fazenda produtora de algodão, na qual o agricultor não sabia onde estavam seus equipamentos, consumo e produtividade de cada um deles.

“Já pensou se as máquinas estivessem equipadas com uma série de sensores que informariam eventuais anomalias no funcionamento dos equipamentos ou eventualmente o uso não recomendado pelo fabricante, enfim, estariam gerando informações que vão impactar em sua utilização antes que provoquem consideráveis prejuízos”, exemplifica o gestor.

Sensores na propriedade que tragam informações, tais como de umidade do solo, de vento, de medição dos nutrientes, entre outras diversas situações que possam existir, e alertas que possam ser parametrizados permitindo ao produtor ter a gestão total do seu negócio, em tempo real, no seu computador, tablet ou smartfone, fazem parte das soluções propostas pelo IoT.

“É a possibilidade que o produtor tem de gerenciar adequadamente os seus recursos para que ele possa extrair o melhor desempenho e a maior produtividade, fazendo mais com menos”, finaliza Wagner Figueiredo, acrescentando que as estratégias de IoT já estão inseridas no mercado de soluções para o agronegócio de Mato Grosso.

Avalie esta matéria: Gostei +2 | Não gostei