Opinião

Sábado, 10 de Agosto de 2019, 08:14

Tamanho do texto A - A+

Agricultura orgânica é melhor para o meio ambiente?

Por: Ciro Rosolem

Foto: Assessoria

Ciro Antonio Rosolem

 

A agricultura orgânica é moda. Segundo o que se divulga em revistas e jornais de grande circulação, de acordo com os nutricionistas e nutrólogos, consumir alimentos orgânicos vai salvar você e o planeta. Como todas as modas, há verdades e mitos sobre este tipo de prática agrícola. Normalmente, as publicações aparecem com artigos eivados de conceitos errados e meias verdades. Entretanto, um aspecto, extremamente importante, deveria ser mais bem esclarecido.

Os orgânicos não são melhores para o meio ambiente. Ao se colocar, por exemplo, que eles evitam a contaminação em cadeia das áreas agrícolas e dos cursos d’água, se assume que a produção tradicional contamina, o que não é verdade. Agroquímicos, desde que aplicados de acordo com as recomendações técnicas, têm efeito negligível sobre abelhas e não deixam resíduos no solo ou na água.

Entretanto, e principalmente, há um fator fundamental pelo qual a produção orgânica de alimentos é muito pior do que a convencional para o meio ambiente: ela emite muito mais gases de efeito estufa. Portanto, é muito pior em relação ao potencial de aquecimento global.

Vejamos: Primeiro, a agricultura orgânica tem produtividade bem menor que a convencional. Assim, exige mais terra para produzir quantidade semelhante de alimentos e usar mais terra significa desmatar mais. Estima-se que, somente no Brasil, a moderna tecnologia agrícola evitou que fossem desmatados, aproximadamente, 70 milhões de hectares de florestas. Esta é uma área maior que a atualmente explorada para a produção de grãos no Brasil.

Segundo, além de usar mais terra, como a área é maior, a emissão de carbono para a produção, que guarda relação com a área, é também maior. Ainda, quanto maior a produtividade, menor o índice de emissão de gases de efeito estufa, por unidade de produto. Como na agricultura orgânica a produtividade é mais baixa, a pegada de carbono dos produtos é maior.

Terceiro, a agricultura orgânica depende de adubos orgânicos e/ou compostos. Tanto os estercos animais como os compostos são potentes emissores de gás carbônico para a atmosfera. No caso de estercos, a emissão de óxido nitroso, muito mais danoso que o gás carbônico, é grande, em função do que tem urina animal.

Quarto, ao contrário do que se acredita, a agricultura orgânica utiliza sim, defensivos não biológicos. É o caso de defensivos, permitidos e usados, que tem cobre em sua composição, um metal pesado.

E quinto e por último, ao inverso dos produtos da agricultura convencional, em que se usam produtos testados e aprovados por três ministérios, e regularmente são colhidas amostras para monitoramento da contaminação, nada disso ocorre com produtos orgânicos.

Desta forma, a agricultura orgânica tem seu espaço e sua importância para a população. É um nicho de mercado importante para os agricultores. Não precisa de invencionices para ser justificada. A opção pelos alimentos orgânicos não pode ser feita com base em mitos.


*Ciro Rosolem, vice-Presidente de Comunicação Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor Titular da Faculdade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu).

Avalie esta matéria: Gostei +4 | Não gostei - 4

Preencha o formulário abaixo:

2 Comentário(s)

Nilson Moreira - 15/08/2019

https://portrasdoalimento.info/ Caro senhor Ciro Rosalem Vai nesse site e pesquisa a água que está abastecendo sua casa em Botucatu Foi detectado 27 agrotóxicos 11 relacionados com doenças graves ou o Senhor não é professor coisa nenhuma aí na UNESP o Senhor está recebendo dinheiro da Bayer Monsanto pra fazer tamanho de reportagem dessa sem fundamento é triste. Faz favor o Senhor já está bem velho vai pra beira de uma lagoa ficar pescando melhor que ficar falando besteira.

Kamila Christie - 15/08/2019

Todas as informações sobre orgânicos, cujo esse processor se referiu são completamente equivocadas, desatualizadas e sem fundamento. Orgânicos são mais sustentáveis, porque não utilizam superdosagem de inseticidas, fungicidas, herbicidas, nematicidas e todos os outros” tóxicos. Na produção de orgânicos não se utiliza maior quantidade de terra, ao contrário consegue se produzir no sistema agrofloresta inclusive. Não há nenhum estudo que comprove o que foi dito na reportagem sobre a emissão de carbono, a afirmativa está incorreta. Pois a pecuária por exemplo campeã em produção de metano que responde por 51% no aquecimento global segundo documentário Cowspiracy. A agricultura orgânica utiliza uma dosagem de adubação química de acordo com a lei. Todos os produtos orgânicos são avaliados de acordo com certificadora autorizada pelo MAPA. Por isso existe o selo orgânico, o qual significa que o alimento/ produto seja avaliado e testado através de análises. Os alimentos orgânicos não são moda, estão cada vez mais presentes nas prateleiras dos supermercados. Por que existe uma demanda, porque a população está mais consciente, porque os alimentos são mais nutritivos, saudáveis e limpos.